Desabitável

Publicado: 27/05/2011 por Flicsotera em Poemas
Tags:, , , ,

Fatídico e desmiolado era o amor seu,
Granítica a sua pele sem ela,
No não existir dela se desvaneceu.
A vida sua apenas uma Cela.

Nos bancos do jardim roubado,
A esperança de a ter dele.
Era a mente ao descalabro.
Todos os males nele.

A chuva de ar se debatia,
Para ser maior que o céu.
Todo o seu corpo doía,
Mesmo debaixo do véu.

Ela tinha dado o tecido,
Enquanto eram amantes,
Tudo poderia ter sido
Muito melhor que antes.

O acto do Universo,
É supremo e implacável.
Ele fez o inverso.
O Mundo desabitável.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s