Arquivo da categoria ‘Poemas’

Publicado: 18/08/2011 por Flicsotera em Poemas
Tags:,

Solidão que me preenche,
Nesta dança tudo é decadente.
Sou a alma dormente,
De quem te espera crente,
Na alvorada quente,
De uma dia decadente.
Sinto-me doente,
Só porque não estás presente.
Perco-me tremente,
No caminho punjente,
Sentindo a dor latente,
Porque estou ciente,
Que mais do que possivelmente,
Mesmo que sejas competente,
Não me sabes encontrar ….

Esta Imagem não nos pertence. Obrigada ao Criador.

Anúncios

Publicado: 29/05/2011 por Flicsotera em Poemas
Tags:

Querer acordar em outro dia que não hoje,
Querer alargar o eu e quebrar a distância.
Magoa-me sentir que o ontem me foge.
Querer o amanhã será muita ganância?

(mais…)

Desabitável

Publicado: 27/05/2011 por Flicsotera em Poemas
Tags:, , , ,

Fatídico e desmiolado era o amor seu,
Granítica a sua pele sem ela,
No não existir dela se desvaneceu.
A vida sua apenas uma Cela.

(mais…)

J

Publicado: 06/05/2011 por Flicsotera em Poemas
Tags:

Minh’alma se dividiu em duas,

Não sei como nem, quando.

As duas metades são tuas,

Enquanto eu seguir te amando.

(mais…)

Publicado: 06/05/2011 por Flicsotera em Poemas
Tags:, ,

Eis que chega retumbante,

Sem o cavalo da tradição.

Vem o nobre galante,

Só de teclado na mão.
(mais…)

Ricardo Reis – Aqui

Publicado: 15/04/2011 por Flicsotera em Poemas
Tags:,

Aqui, neste misérrimo desterro

Onde nem desterrado estou, habito,

Fiel, sem que queira, àquele antigo erro

Pelo qual sou proscrito.

O erro de querer ser igual a alguém

Feliz em suma — quanto a sorte deu

A cada coração o único bem

De ele poder ser seu.

Qual o Seu Poder?

Publicado: 11/04/2011 por Flicsotera em Poemas
Tags:

Aquele que te mata,

É aquele que te resgata,

Na sua doçura patente,

Na sua loucura quente…

  (mais…)